A falsa obrigatoriedade de manter contato com quem não gosto

A falsa obrigatoriedade de manter contato com quem não gosto

É difícil. Em tempos de redes sociais, eu sou uma eremita do mundo tecnológico. Apenas uso o WhatsApp, e esse simplesmente porque não posso evitar, já que necessito dele para coisas relacionadas ao trabalho e afins.

Bem,

Uma amiga perguntou se Fulano de Tal, dos idos anos 20xx, poderia falar comigo. Aparentemente, Fulano de Tal, que há uns sete ou oito anos atrás era meu amigo — ou qualquer coisa próxima de amigo, porém que não seja bem amigo, mas ao mesmo tempo algo maior que conhecido — havia perguntado se ela ainda tinha contato comigo. Queria conversar pelo WhatsApp.

Eu disse que tudo bem, mesmo não querendo, já que eu sabia bem que não tínhamos nada em comum na época. Vi-me obrigada a fazer isso. Etiqueta. E estupidez também. E quem sabe uma fração de esperança de que a idade pudesse ter mudado alguma coisa.

Agora eu estou aqui respondendo mensagens do Fulano que, surpresa, parece ainda mais tedioso e lugar-comum do que antes. E ainda passa cantadas, que absurdo.

Read more

Advertisements
Algumas coisas boas da vida, neste exato momento

Algumas coisas boas da vida, neste exato momento

– Limonada fresca que fiz em plena madrugada

– Estar de óculos em casa ao invés de lentes (sou incrivelmente míope, a vida é difícil para mim)

– Todos os gatos do universo

– A voz do Morrissey

– Dormir nua

– O fato de que amanhã vou começar o dia com um delicioso mingau de aveia (não me julgue. Eu gosto mesmo!)

– Este blog/diário porque falo várias bobagens

Link para o meu blog principal aqui. Link to my main blog here.

Pensando sobre paraísos, morte e música

Pensando sobre paraísos, morte e música

Essa é uma noite terrível e estou bem triste, mas estou aqui ouvindo boas músicas do passado, com muita bossa nova da mais fina classe (toda bossa é) e alguns hits dos anos oitenta (olá, Lobão!).

O povo da igreja da minha mãe quer viver pra sempre num paraíso aqui na terra.

Nossa, viver pra sempre deve ser um horror. Mesmo com juventude eterna num paraíso, a ideia de viver eternamente não me apetece.

Read more